Notícias » Geral

27 de Julho de 2017
Aproveitamento do PSD? "Indigna é a política de ocultação e passa-culpas"
O social-democrata falou, na Assembleia da República, em nome do PSD
Clique para ampliar

https://www.noticiasaominuto.com/politica/838723/aproveitamento-do-psd-indigna-e-a-politica-de-ocultacao-e-passa-culpasCarlos Abreu Amorim reagiu às acusações feitas ao PSD e mostrou-se indignado com as diversas posições do Governo, acusando-o de não estar a agir de forma correta em relação ao momento trágico que o país vive em tempos de grandes incêndios. “Julgamos que a transparência e o cessar do clima de suspeições que estava a grassar praticamente em todo o país é algo que nos devemos regozijar e isso deve-se à atitude do PSD e à comunicação social que nunca descansou no sentido de trazer mais verdade para uma situação que parecia estar sujeita a uma lógica estranhíssima de ocultação”, começou por dizer, referindo-se à polémica em torno da lista de vítimas mortais de Pedrógão Grande. Realçando que as “acusações feitas ao PSD são descabidas, desajustadas e fazem ricochete”, o social-democrata frisou que é “falso” o que o Governo declarou sobre o “aproveitamento político [do PSD] desta tragédia”. “Com as suas acusações, política de ocultação e de passa-culpas, o Governo e as entidades que dele dependem estão a fazer uma gestão de comunicação e marketing político elevado até ao ponto máximo e que criou este clima de suspeição e desconfiança que é negativo”, acusou. Sobre o facto de o “comportamento do PSD” ter sido considerado “indigno”, Carlos Abreu Amorim foi perentório: “Indigno é, até este momento que estamos a falar, não ter chegado um cêntimo do dinheiro público e do muito dinheiro privado que a sociedade portuguesa angariou desde a tragédia de Pedrógão Grande”. “Indigno e absolutamente reprovável é o facto de o PSD ter aproveitado um projeto que criava um mecanismo urgente extra-judicial para reparação, às famílias dos falecidos e aos feridos graves, e esse projeto ter sido apoiado pelo PCP e pelo Bloco e o PS não ter consentido que fosse aprovado no passado dia 19”, prosseguiu. A lei da rolha, “que condiciona a atividade da comunicação social, que aumenta um clima de suspeição e desconfiança em relação ao que está a ser feito na prevenção e combate aos incêndios”, é outra das acusações feitas pelo PSD. Mais, realça, “indigno também é este Governo não ter sabido explicar por que razão é que mudou os comandos da ANPC a meses do início da época dos fogos com os resultados que estão à vista”. Por fim, Abreu Amorim encara como “indigno o facto de existir uma lógica de passa-culpas absolutamente compulsiva e negativa no sentido de que ninguém assume responsabilidades. É hoje claro que o Estado falhou, não houve um responsável governamental - o próprio PM não pediu desculpa ao país - que viesse assumir responsabilidade”.


+ NOTÍCIAS


 
Neste momento no AR

Sentimento Forte, Único e Verdadeiro.

Com: Auto DJ
Horário: 24 Horas por dia
Peça a sua música
Nome:

Email:

Cidade / UF:

Pedido:

Por medida de segurança, digite os 5 dígitos
do código exibido abaixo

gvatx
Agenda
Nenhum registro encontrado
TOP PADRINHOS
  • 1
    ERNESTO CEDOVIM

    ERNESTO CEDOVIM

    telfonema para cristina
  • 2
    DOELLINGER

    DOELLINGER

    ETERNAS ONDAS
  • 3
    ERNESTO LEITE

    ERNESTO LEITE

    Quando me quiseres encontrar
  • 4
    Caramelo

    Caramelo

    EU FICO LOUCA LOUCA
  • 5
    JESSE

    JESSE

    América
  • 6
    ALEXANDRE CORREIA

    ALEXANDRE CORREIA

    A Galinha É Minha e o Galo É Teu
  • 7
    ELENA CORREIA

    ELENA CORREIA

    O telefone despertou
  • 8
    ANNA DOMINGUEZ

    ANNA DOMINGUEZ

    SÓ MAIS UM BEIJO
  • 9
    JOHNNY

    JOHNNY

    QUERO SER FELIZ
  • 10
    DANIEL CARLINI

    DANIEL CARLINI

    PODER DO SEU OLHAR
  • 11
    ALEXXANO

    ALEXXANO

    Oi Oi OI Kuduro
  • 12
    JUAKO

    JUAKO

    Prefiero Olvidar
  • 13
    MARIO COSTA

    MARIO COSTA

    Foforinha
Publicidade
Redes Sociais
            
TOP PADRINHOS

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Copyright © 2017 - Rádio Barreirinha